domingo, 3 de julho de 2011

Resumo do livro "Uma Escola para o Povo"

Uma Escola para o povo Autora: Maria Tereza Nedelcolf
           A autora inicia o livro com duas questões pertinentes:-O que somos e o que podemos ser dentro da sociedade? 
           Nós deixamos que os outros decidam por nós ou agímos criando a escola na qual acreditamos?
           Expôe que somos parte um país e cumprimos uma função dentro dele, por isso o livro procura levar-nos a pensar e a tomar consciência de significado social e político de nossas atitudes de novos métodos e do conteúdo daquelo que ensinamos.
          O livro é dividido em seis capítulos nos quais a autora coloca e distingue a questão do mestre polícial ou mestre povo e polêmica existente entre uma atitude policialista e castradora de ensino, ou uma criativa, de engajamento na cultura do Educando. Professor-Policial:
 a. costumam ser objetivos puramente formais (são copiados, pois não se pensa em cumprí-los);
 b. amplos, vagos e imprecisos (frases bonetas como “desenvolvimento harmonioso da personalidade”);
 c. são intemporais, sem-referências espaciais e, ignoram a existência de classes sociais (Formar o bom cidadão – o que significa isso).
           Objetivos com que trabalham:- - manter a “disciplina” do grupo (alunos que obedecem sem questionar); 
           Priorização do fator intelectual (bom aluno sinônimo de boas notas); - Cumprir sempre, tudo o que lhe for ordenado. O professor policial, condena a rebeldia e o espírito de luta, forma seres doceís e complacentes que sempre dizem “sim”.
           Professor-povo: Objetivo Central:- ajudar o aluno a se denvolver como ser capaz de liberar-se das estruturas opressivas da sociedade atual.
          Objetivo com que trabalha:- ajudar os alunos a verem a realidade com lucidez e espírito critico (interpretar o sentido dos fatos); ajudar a descobrirem e a assumirem seu compromisso diante da realidade; ajudá-los a serem (livres dos preconceitos, dos temores, da supertições, da ignorância do egoismo, da timidez, da opressão, da miséria); ajuda-los a aprenderem a organizarem-se de descobrirem a capacidade que tem).
          Conteúdos que são transmitidos na escola. 
          Os conteúdos não são neutros expressam sempre uma ideologia e uma cultura e o educador ao optar por um ou outro, posiciona-se frente aos mesmos. Professor-povo:- valoriza a cultura popular/a experiência; revisa os conteúdos ideológicos dos livros e textos; preocupa-se com a funcionalidade dos conteúdos; valorização do coletivo, do solidário; preocupação com a libertação do jugo da classe dominante.
          Como trabalhamos?
          Priorizamos as técnicas, porem o fator metodologico deve ser subordinado à definição de propósitos educativos, que objetivos queremos atingir, que elementos buscamos compreender e os motivos de nossa ação.
          Professor-policial:- autoritarismo; sentido únido de cima para baixo; memorização; dependência do professor; repressão de expressão; disciplina; individualismo; não se explora as capacidades; não existe auto-avaliação; força-se o ritmo. Professor-aluno: visa formação de atítudes críticas; partir sempre da observação e análise das situações reais e concretas, captar a bagagem que os alunos trazem; não copias métodos ou experiência dos outros; valorizar o verdadeiro trabalho em grupo; as normas de disciplina são construidas e vividas pelas próprias crianças, dialogados, trabalhados, permeado de camaradagem e afeto; o professor povo se responsabiliza pela aprendizagem de cada criança; Incentivar a expressão e a critica; explorar as capacidades de cada um; ajudar os alunos perceberem que estão criando cultura; apoiar-se numa didática que cresce de baixo para cima;
           A avaliação e seus problemas:
           A avaliação precisa ser enfocada como um processo de diagnóstico para que o professor passa verificar a eficácia de seu trabalho; porémtem estado, relacionado com a qualificação e promoção; a postura do professor frente a esses problemas o qualifica como:
          Professor-policial não percebe as raízes socíais do fracasso escolar; valoriza apenas o conhecimentos; considera a avaliação patrimônio do professor; avaliação como um fim em si mesma; não incentiva a auto-critica; incentiva atitudes passivas e conformistas;
           Professor-Povo: avalia como um educador, não como um transmissor de informações; conduz o aluno e o grupo a uma perspectiva de avaliação valoriza a autocritica e auto-avaliação; leva em conta os fatores sociais do rendimento escolar; respeita o ritmo de cada um; Dos critérios são colocados, procurando orientar o professor preocupado com a avaliação de seus alunos:- 
1 – É necessário reter o mais possível uma criança na escola para que ela aprenda o que possa e até onde possa no tempo que permanecer na mesma; 
2 – Buscar que cada um aprenda dentro de seu ritmo, com a convicção de que salvo alguns casos excepcionais, nenhuma criança fracassaria se dispusse-se de mais tempo, obtivesse mais dedicação atenção e afeto por parte do professor. Nossas relações com os pais dos alunos:
           Fala-se muito sobre a necessidade de cooperação entre pais e mestres, na pratica, no entanto, as relações muitas vezes estão frequentemente longe de serem harmônicas, muitas são as razões dessa falta de entendimento, entre elas podemos citar as razões de ordem sócio-cultural ligadas à forma de interpretar a realidade social e histórica. Professor-policial:- considera a escola apolitica; não vê os pais como companheiros de trabalho; sente que seus trabalho é um sacrifício não é reconhecido; se sente injustiçado pela responsabilidade do trabalho, porém faz o menino exigido.
           Professor-Povo:- Tem idéias claras sobre a realidade; Posiciona-se frente o papel politico; identifica os interesses das classes dominantes; sente-se integrante da realidade dos alunos; tem definidos os valores morais, pessoais e coletivos que aspira para a nova sociedade.

          Sabendo isso, é nota boa na certa...
          Um exercício interessante, seria o de avaliar nossos professores...
          Elencar quem é Professor-policial e quem é povo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário