domingo, 14 de agosto de 2011

Resumo - Uma Escola para o povo (Maria Teresa Nidelcoff)


A autora inicia o livro com duas questões pertinentes:
·         O que somos e o que podemos ser dentro da sociedade?
·          Nós deixamos que os outros decidam por nós ou agimos criando a escola na qual acreditamos?
Expõe que somos parte um país e cumprimos uma função dentro dele, por isso o livro procura levar-nos a pensar e a tomar consciência de significado social e político de nossas atitudes de novos métodos e do conteúdo daquilo que ensinamos. No livro são distinguidos dois tipos de professores:
·         Professor-policial;
·         Professor-povo.
Com relação a:

1.    OBJETIVOS

Professor-policial:
· Manter a “disciplina” do grupo (alunos que obedecem sem questionar, uma disciplina puramente repressiva pelo fato de ser imposta);
· Priorização do fator intelectual (bom aluno sinônimo de boas notas);
· Cumprir sempre, tudo o que lhe for ordenado (condena a rebeldia e o espírito de luta, forma seres dóceis sempre dizem “sim”).

Professor-povo:
· Ajudar os alunos a verem a realidade com lucidez e espírito crítico (interpretar o sentido dos fatos);
· Ajudá-los a serem livres (dos preconceitos, dos temores, das superstições, da ignorância, do egoísmo, da timidez, da opressão, da miséria; ser livre significa ser capaz de expressar-se e de expressar seu mundo, significa também ser capaz de agir, modificando esse mundo);
· Ajudá-los a aprenderem a organizarem-se (para conseguir um objetivo é importante que aqueles que estão na mesma situação se unam e se organizem).
Objetivo Central: Visão crítica da realidade (ajudar o aluno a ver a realidade de uma maneira crítica, auxiliando este a se desenvolver como ser capaz de liberar-se das estruturas opressivas da sociedade atual).

2.    CONTEÚDOS

Conteúdos que são transmitidos na escola não são neutros expressam sempre uma ideologia e uma cultura (em geral esta ideologia e cultura são da classe dominante. Qual a postura dos professores diante deste contexto?).

Professor-policial:
· Universaliza a cultura burguesa (o professor repreende a criança que usa espontaneamente certos termos típicos de seu meio).

Professor-povo:
· Valoriza a cultura popular/a experiência (está atento para captar as manifestações da cultura popular e incentivar aquelas que sejam mais ricas e libertadoras; valoriza as expressões populares, a linguagem própria dos alunos; desmitifica a cultura burguesa como a correta, mostra que não há uma cultura e sim várias);
· Revisa os conteúdos ideológicos dos livros e textos (dá um novo enfoque, busca a verdade. Ex.: “O descobrimento do Brasil”);
· Preocupa-se com a funcionalidade dos conteúdos (busca aquilo que é útil para a vida e deixa de lado o que é inútil, ainda que seja tradicional estudá-lo).

3.    TRABALHO

Professor-policial:
· Autoritarismo (apenas o professor sabe e ensina);
· Sentido único de cima para baixo;
· Memorização;
· Dependência do professor (Ex.: a professora só tinha trabalhado algumas letras com sua turma, em uma atividade os alunos teriam que escrever algumas com as inicias das letras estudadas, um aluno já conhecia outras letras e usou palavras com estas letras. A professora disse que “não deveria usar as palavras, porque ela ainda não tinha ensinado” );
· Disciplina (o aluno tem que acatar ordens);
· Individualismo (o trabalho em grupos,quando existe, não passa de mais uma formalidade. As crianças não descobrem por que e por que trabalham em grupo.);
· Não se explora as capacidades (não se exige do aluno máximo de suas
possibilidades. Quando o aluno entrega um trabalho regular ou mau, não se pede que seja refeito, para que os erros sejam superados);
· Não existe auto-avaliação (não existe nenhum esforço de auto-avaliação, de modo que a criança comecem a tomar consciência de seus progressos e das dificuldades que devem vencer);
· Força-se o ritmo ( o importante é cumprir o programa, avança-se de assunto em assunto, não são retomado se necessário for).
Professor-povo:
· Partir sempre da observação e análise das situações reais e concretas (captar a
bagagem que os alunos trazem);
· Valorizar o verdadeiro trabalho em grupo (ensinar para o aluno que o grupo é uma unidade, todos devem participar de forma ativa e organizada);
· Disciplina não é um conjunto de normas que o aluno deve obedecer (disciplina é
aquela vivida pela comunidade educativa, e se expressa nas atitudes de seus membros, disciplina é sinônimo de trabalho, diálogo e respeito mútuo)
· Responsabiliza pela aprendizagem de cada criança (sabe-se que cada aluno tem seu ritmo de aprendizagem e o professor precisa respeitar este processo);
· Explorar as capacidades de cada um (exigir o máximo de rendimento, segundo a
capacidade de cada um, ensiná-las a fazer as coisas da melhor maneira que possam);
· Ajudar os alunos perceberem que estão criando cultura (na medida em que vêem a realidade e a expressam e se expressam a si mesmo, como o seu linguajar típico, suas tradições);
· Apoiar-se numa didática que cresce de baixo para cima (não ficar preso ao livro, o professor pode desenvolver uma didática baseada na realidade de sua turma).

4.    A AVALIAÇÃO E SEUS PROBLEMAS:

A avaliação/nota precisa ser enfocada como um processo de diagnóstico para que o professor possa verificar a eficácia de seu trabalho, porém tem estado relacionada com a qualificação (bom/mal) e promoção (passar/reprovar).
Professor-policial:
· Valoriza apenas os conhecimentos (leva em conta o que o aluno conseguiu
memorizar);
· Considera a avaliação patrimônio do professor (o aluno não pode questionar sua
nota/o professor não é avaliado);
· Avaliação é considerada como um fim em si mesma (no momento que a nota é dada, tem-se a impressão de que tudo acabou, a avaliação não é um fim, mas um meio para alicerçar a próxima etapa da aprendizagem, se determinada dificuldade  não foi superada é necessário retomar o assunto ).
Professor-povo:
· Avalia como um educador, não como um transmissor de informações (valoriza as atitudes do aluno, sua dedicação, seu esmero, sua responsabilidade, e não apenas a quantidade de perguntas acertadas numa prova);
· Conduz o aluno e o grupo a uma perspectiva de auto-avaliação (em provas colocar o valor de cada questão para que o aluno possa calcular sua própria nota; discutir com a turma os critérios a serem considerados na avaliação das exposições orais ou trabalho escrito);
· Respeita o ritmo de cada um (respeitar o tempo de aprendizado de aluno).

5.    RELAÇÕES COM OS PAIS DOS ALUNOS

Fala-se muito sobre a necessidade de cooperação entre pais e mestres, na pratica, no entanto, as relações muitas vezes estão frequentemente longe de serem harmônicas, muitas são as razões dessa falta de entendimento, entre elas podemos citar as razões de ordem sócio-cultural ligadas à forma de interpretar a realidade social e histórica.
Professor-policial:
· Considera a escola apolítica (ele não percebe ou não quer perceber as ideologias opressoras embutidas em muitas tarefas e “ritos escolares”, na medida em que este professor não trabalha para mudar, ajuda os que querem conservar);
· Não vê os pais como companheiros de trabalho (ver mais como um inimigo que
atrapalha);
· Sente que seu trabalho é um sacrifício e não é reconhecido;
· Se sente injustiçado pela responsabilidade do trabalho.

Professor-povo:
· Tem idéias claras sobre a realidade;
· Posiciona-se frente o papel político;
· Sente-se integrante da realidade dos alunos;
· Tem definidos os valores morais, pessoais e coletivos que aspira para a nova
sociedade.
Referência:
NIDELCOFF, Maria Teresa. Uma escola para o povo. [tradução: João Silverio Trevisan] 37 ed.São Paulo:
Brasiliense, 1994.

2 comentários:

  1. na verdade Teresa nos mostra um caminho a seguir, mudar, transformar....infelizmente diante de tantos meios de mudança de transformaçao da escola, acabamos por reproduzir as mesmas açoes de ser de um professor policial.
    jailson j. da silva

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir