sábado, 10 de setembro de 2011

Democratização da Escola Pública

RESUMO DO LIVRO DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA- JOSÉ CARLOS LIBÂNEO
CITAÇÃO
PG.
COMENTÁRIOS
“...A prática escolar assim, tem atrás de si condicionantes sociopolíticos que configuram diferentes concepções de homem e de sociedade e, conseqüentemente, diferentes pressupostos sobre o papel da escola, aprendizagem, relações professor-aluno, técnicas pedagógicas etc...”

03
Eterna discussão burguesia x proletariado. Sabendo que a escola absorve os conceitos políticos, o livro declina sobre as variadas relações.
‘...Uma boa parte dos professores, provavelmente a maioria, baseia sua prática em prescrições pedagógicas que viraram senso comum, incorporadas quando de sua passagem pela escola ou transmitidas pelos colegas mais velhos; entretanto, essa prática contém pressupostos teóricos implícitos. ...”

03
Há também um processo endógeno, desconsiderado. Aquilo que nós, seres mortais chamamos de índole.
‘...Após caracterizar a pedagogia tradicional e a pedagogia nova, indica o aparecimento, mais recente, da tendência tecnicista e das teorias critico-reprodutivistas...”

04
Uma discussão sobre o foco. Uma robotiza e a outra libera.
“...(...)Ai o quadro contraditório em que se encontra o professor: sua cabeça é escolanovista a realidade é tradicional;"(...)...”

04
Se partirmos do ponto de vista que a realidade é a extensão de nossa luta, a citação foi infeliz.
“...O termo liberal não tem o sentido de "avançado", ''democrático", "aberto", como costuma ser usado...”

05
Iria mais longe, 1970 surgiu o neoliberalismo, que é a aplicação dos princípios liberais numa realidade econômica pautada pela globalização e por novos paradigmas do capitalismo. Troca-se a opressão bélica pela opressão econômica.
“””A pedagogia liberal sustenta a idéia de que a escola tem por função preparar os indivíduos para o desempenho de papéis sociais, ...”

06
Ou seja, preparar indivíduos para sustentar a elite.
“...por razões de recomposição da hegemonia da burguesia, evoluiu para a pedagogia renovada (também denominada escola nova ou ativa)...”

06
Nova roupagem, para problemas antigos.
‘...Mas a educação é um processo interno, não externo; ela parte das necessidades e interesses individuais necessários para a adaptação ao meio...”

07
Quando da globalização, adaptar-se, nos países em desenvolvimento nada mais é do que sobreviver. A emergência no sustenta, sobrepõe-se
Ao aprimoramento acadêmico.
“...preparação de "recursos humanos" (mão-de-obra para indústria)...”

08
Os que detêm o poder, necessitam de mão de obra qualificada, porém com baixo custo. A idéia é injetar o maior número de profissionais, para fazer valer a lei da oferta e da procura.
“...A atuação da escola consiste na preparação intelectual e moral dos alunos para assumir sua posição na sociedade. O compromisso da escola é com a cultura, os problemas sociais pertencem à sociedade...”

08
Refletir o social, pode repercutir em instabilidade da classe dominante.
“...pedagogia tradicional é criticada como intelectualista...”

09
Aparta-se o conteúdo, da realidade. É por este motivo, que diz-se da pedagogia tradicional, que é Enciclopédica.Vale mais decorar locais e datas.
“...disciplinar a mente e formar hábitos...”

09
Eu substituo a questão de disciplinar mentes, por formar seres subservientes.
“...Predomina a autoridade do professor que exige atitude receptiva dos alunos...”

10
Eu mando, vc’s obedecem.
Apenas o professor sabe. Exclui-se a experiência dos alunos.
“...A pedagogia liberal tradicional é viva e atuante em nossas escolas...’

10
Eu ainda acho que tem relação com o docente. Há os que tem incrustado em seu interior, a arrogância,achando que por terem tornado-se professores, atingiram um grau de superioridade, independente do local de ensino.
TENDÊNCIA LIBERAL RENOVADA PROGRESSIVISTA
“...ela deve se organizar de forma a retratar, o quanto possível, a vida...”

11
Nesta tendência, passa-se a vida discutindo, não necessariamente agindo.
“...estruturas cognitivas do indivíduo e estruturas do ambiente...”

11
Tende-se a abarcar o todo, fazendo o nada, achando que aquilo é o tudo.
“...A idéia de "aprender fazendo" está sempre presente...”

11
Fazendo o quê?
Uma atividade pedagógica?
Julgo distante de mudar a realidade.
“...Não há lugar privilegiado para o professor...”

12
Uma revolução sem líder.
Mataram novamente o Chê Guevara.
“...A motivação depende da força de estimulação do problema e das disposições internas e interesses do aluno...”

12
Eu ainda acho que a referência do adulto é importante. Este estímulo do problema é subjetivo.
“...Os princípios da pedagogia progressivista vêm sendo difundidos, em larga escala, nos cursos de licenciatura, e muitos professores sofrem sua influência...”

13
Agora entendemos o motivo do caos na educação no Brasil.
TENDÊNCIA LIBERAL RENOVADA NÃO-DIRETIVA
“...deve estar mais preocupada com problemas psicológicos do que com os pedagógicos ou sociais...”

13
O que importa é o indivíduo.
Sua estrutura e seu aporte, não importando o seu meio.
“...Os processos de ensino visam mais facilitar aos estudantes os meios para buscarem por si mesmos os conhecimentos que, no entanto, são dispensáveis...”

14
Em parte é interessante. Me veio uma máxima.
“...não dê o peixe, mas ensine a pescar..”
Não te dou o peixe, te ensino a pescar e pouco me importa se vc vai fisgá-lo ou não.

“...Os métodos usuais são dispensados, prevalecendo quase que exclusivamente o esforço do professor em desenvolver um estilo próprio para facilitar a aprendizagem dos alunos...”

14
Pode até surgir estilos de aprendizagem eficientes mas, também corre-se o risco de termos uma ineficiência.
“...A pedagogia não-diretiva propõe uma educação centrada no aluno...”

15
Meu parco conhecimento me leva a um pensamento:
- Alunos semelhantes a cobaias de laboratório. Se der certo, ótimo.
“...A motivação resulta do desejo de adequação pessoal na busca da auto-realização;...”

15
Desejo de auto-realização só funciona com quem tem um mínimo de estrutura econômica. Há muitas crianças, que tem como pensamento único, a merenda da escola. A fome sucumbe a motivação.
“...funciona como modeladora do comportamento humano, através de técnicas específicas...”

16
Sinceramente não entendi esta parte. Querem trabalhar o individual, generalizando.
“...Conteúdos de ensino - São as informações, princípios científicos, leis etc., estabelecidos e ordenados numa seqüência lógica e psicológica por especialistas...”

16
Especialistas em psicologia, não verdadeiros pedagogos.
“...Se a primeira tarefa do professor é modelar respostas apropriadas aos objetivos instrucionais, a principal é conseguir o comportamento adequado pelo controle do ensino;...”

17
É um ensino mensurável, tendo o aluno como um ser não cooperativo na elaboração do conteúdo.
“...São relações estruturadas e objetivas, com papeis bem definidos...”

18
Cabe ao aluno absorver o conhecimento científico, enquanto o professor é apenas um elo entre o conteúdo aplicado e a forma mais adequada de aprendizado. A comunicação entre o professor e o aluno tem apenas uma conotação técnica.
“...O aluno é um indivíduo responsivo, não participa da elaboração do programa educacional...”

18
O aluno é espectador ( assim como o professor), frente a verdade objetiva.
“...A comunicação professor-aluno tem um sentido exclusivamente técnico...”

18
Debates, discussões, questionamentos são desnecessários, assim como pouco importam as relações afetivas e pessoais

“...o ensino é um processo de condicionamento através do uso de reforço das respostas que se quer obter. Assim, os sistemas instrucionais visam o controle do comportamento individual face a objetivos preestabelecidos...”

18
o aluno saia da situação de aprendizagem diferente de como entrou. Ou seja, o ensino é um processo de condicionamento

“...foi introduzida mais efetivamente no final dos anos 60 com o objetivo de adequar o tema educacional à orientação político econômica do regime militar...”

19
A idéia base era evitar a discussão política e social.
PEDAGOGIA PROGRESSISTA
“...partindo de uma análise crítica das realidades sociais, sustentam implicitamente as finalidades sociopolíticas da educação...”

20
Criar uma maior consciência. Instrumento para disponibilizar a quebra dos grilhões. Pode pecar pelo extremismo.
“...As versões libertadora e libertária têm em comum o anti-autoritarismo...”

20
A liberdade como estrado para uma nova ordenação social.
“...A tendência da pedagogia critico social de conteúdos propõe uma síntese superadora das pedagogia tradicional e renovada, valorizando a ação pedagógica enquanto inserida na prática social concreta...”

21
Transpõe-se barreiras, tendo como eficácia, o pensar, analisar, entender e mudar.
TENDÊNCIA PROGRESSISTA LIBERTADORA
“...quando se fala na educação em geral, diz-se que ela é uma atividade onde professores e alunos, mediatizados pela realidade que apreendem e da qual extraem o conteúdo de aprendizagem, atingem um nível de consciência dessa mesma realidade, a fim de nela atuarem, num sentido de transformação...”

21
O perceber o que nos cerca, crescendo juntos, tanto o professor, quanto os alunos, transformando-os em seres transformadores.
“...Conteúdos de ensino - Denominados "temas geradores", são extraídos da problematização da prática de vida dos educandos...”

22
Torna-se um ensino palpável. O aluno lida com sua realidade de uma forma direcionada, jamais imposta.
“...a forma de trabalho educativo é o "grupo de discussão”, a quem cabe autogerir a aprendizagem, definindo o conteúdo e a dinâmica das atividades. O professor é um animador que, por princípio, deve "descer" ao nível dos alunos...”

23
Única citação, que me desagrada. Não entendo que é descer, o simples fato de socializar com os alunos, tentando entendê-los.
“...No diálogo, como método básico, a relação é horizontal; onde educador e educandos se posicionam como sujeitos do ato de conhecimento...”

24
Se acrescida da citação anterior, entende-se que nivela por baixo.
Cabe salientar a questão de sujeitos do ato de conhecimento. De meros espectadores, passam para protagonistas.
TENDÊNCIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA
“...A pedagogia libertária espera que a escola exerça uma transformação na personalidade dos alunos num sentido libertário e autogestionário...”

25
O aluno como ser livre de preconceitos, tendo pleno domínio de seus direitos e deveres.
“...a pedagogia libertária recusa qualquer forma de poder ou autoridade...”

28
É necessário um limite. Não devemos confundir autoridade, com autoritarismo. Há uma propensão ao excesso.
“...A pedagogia libertária abrange quase todas as tendências anti-autoritárias em educação, entre elas, a anarquista, a psicanalista, a dos sociólogos, e também a dos professores progressistas...”

28
Complemento da citação anterior. Por si só, se explica.
TENDÊNCIA PRGRESSISTA CRÍTICO-SOCIAL DOS CONTEÚDOS
“...A difusão de conteúdos é a tarefa primordial. Não conteúdos abstratos, mas vivos, concretos e, portanto, indissociáveis das realidades...”

29
De todas as tendências que li, foi a que julguei mais equilibrada. Transforma mais fácil a visualização da realidade.
“...preparação do aluno para o mundo adulto e suas contradições, fornecendo lhe um instrumental, por meio da aquisição de conteúdos e da socialização, para uma participação organizada e ativa na democratização da sociedade...”

30
Participação organizada, equilibrada e estruturada. Através do conhecimento, partir para a reestruturação da realidade.
“...não estabelece oposição entre cultura erudita e cultura popular, ou espontânea, mas uma relação de continuidade...”

30
Há um respeito com a bagagem cultural do aluno.
Percebe-se uma luta contra a elite, implícita na forma de trabalhar o aluno.
É importante a participação do professor, não estando omisso, quanto ao seu dever.
“...análise crítica que ajudem o aluno a ultrapassar a experiência, os estereótipos, as pressões difusas da ideologia dominante - é a ruptura...”

31
Como dito anteriormente, livrar o aluno de toda a carga negativa, imposta por séculos, dando a devida condição de liberdade intelectual.
Liberdade esta, que inevitavelmente irá repercutir numa nova ordem social.
“...Os métodos de uma pedagogia crítico-social dos conteúdos não partem, então, de um saber artificial, depositado a partir de fora, nem do saber espontâneo, mas de uma relação direta com a experiência do aluno,..”

32
O que percebe-se da pedagogia crítico-social é a forma não impositiva.
O aluno é elemento de mudança.
“...provimento das condições em que professores e alunos possam colaborar para fazer progredir essas trocas. O papel do adulto é insubstituível, mas acentua-se também a participação do aluno no processo...”

32
Eis um grande ponto.
O papel do adulto.
O professor gerencia todo o processo, tendo sua devida importância, sem excluir a participação do aluno.
Há equilíbrio.
“...é necessária a intervenção do professor para levar o aluno a acreditar nas suas possibilidades, a ir mais longe, a prolongar a experiência vivida...”

33
Um elemento motivador.

“...O professor precisa saber (compreender) o que os alunos dizem ou fazem, o aluno precisa compreender o que o professor procura dizer-lhes...”

34
A sinergia entre aluno e professor, garante a eficácia deste método.
Ambos sabem perfeitamente, seu papel.
“...(...) "a democratização da sociedade brasileira, o atendimento aos interesses das camadas populares, a transformação estrutural da sociedade brasileira"...”

35
Transformação estrutural da sociedade, através de um processo evolutivo, iniciado na escola, trabalhando o respeito mútuo, entre professor e alunos.
O conhecer a realidade, trabalhando na análise e crítica, sem radicalismos.
“...o que será mais democrático: excluir toda forma de direção, deixar tudo à livre expressão, criar um clima amigável para alimentar boas relações, ou garantir aos alunos a aquisição de conteúdos, a análise de modelos sociais que vão lhes fornecer instrumentos para lutar por seus direitos?...”

35
Esta resposta se torna óbvia.
“...não se deve confundir autoridade com autoritarismo....”

36
Respeito x Medo
“...Além do mais, são incongruentes as dicotomias, tão difundidas por muitos educadores, entre "professor-policial" e "professor-povo"...”

36
Sim. Dois extremos.
Ainda acredito no equilíbrio das ações.
Só não entendo o pejorativo “policial”, como se fosse algo ruim.
Deveriam usar a designação de professor-ditador. Maria Teresa viveu a crise Argentina e ficou traumatizada.
“...situar o ensino centrado no professor e o ensino centrado no aluno em extremos opostos é quase negar pedagógica porque não há um aluno, ou grupo de alunos, aprendendo sozinho, nem um professor ensinando para ás paredes...”

37
Corrobora com a questão de termos um “norte”, um rumo.
É necessária a existência de um orientador, que trabalhe junto com o aluno, descobrindo e evoluindo. Falta humildade a alguns professores.

Um comentário:

  1. Ótimo os comentários... infelizmente nossa educação é mercantilista, visando somente os futuros operários.

    ResponderExcluir