terça-feira, 28 de junho de 2011

É mais ou menos isso...contribuição Leciane

Humboldt e Ritter
Início do século XIX...caráter tardio das relações capitalistas. O país ( Alemanha)não constitui como Estado Nacional. A Alemanha é um aglomerado de feudos. A única ligação reside em alguns traços culturais, não conhecendo a monarquia absoluta. O governo em mão de propietários  de terras.As relações capitalistas vão penetrar conciliando a ordem vigente. O capitalismo penetra no quadro agrário alemão sem alterar a estrutura fundiária.
A sedimentação das relações capitalistas e, principalmente, o expansionismo nacional, vão ascender nas classes dominantes alemãs à idéia de unificação. De início foi a formação da “confederação Germânica” em 1815. Humboldt e Ritter, primeiras colocações no sentido de uma geografia sistematizada.
Humboldt: naturalista cuja proposta de Geografia aparece na justificativa e explicação de seus própios procedimentos de análise; seu trabalho não tinha um conteúdo normativo explícito (  livros: Quadros da Natureza e Cosmos). Entendia a Geografia como a parte terrestre da ciência do cosmos ( síntese de todos os conhecimentos relativos a Terra)...Geografia Sintética. Em termos de método utiliza-se do Empirismo raciocinado, isto é, intuição a partir da observação. Contemplar a paisagem de uma forma quase estética. Era geólogo e botânico.
Ritter: explicitamente metodológico( principal obra..Geografia Comparada). Ele propõe uma Geografia normativa. Sua formação era filosofia e história. O homem é o principal elemento. A Geografia de Ritter é um estudo dos lugares, buscando a individualidade destes. Tinha uma perspectiva religiosa. Para ele a ciência era uma forma de relação homem x criador. Para Ritter a ordem natural obedeceria a um fim previsto por Deus. Ritter era antropocêntrico. Em termos de método, Ritter reforça a análise empírica.
A obra desses dois compõe a Geografia Tradicional.
A Geografia de Ritter é regional e antropocêntrica e a de Humboldt busca abordar o todo ( o Globo) sem privilegiar  o homem.

R atzel: a Geografia de Ratzel foi um instrumento poderoso de legitimação dos desígnios expansionistas do Estado Alemão. Era um representante típico do intelectual engajado no projeto estatal ( principal livro... Antropogeografia – Fundamentos da Aplicação da Geografia à História). Esta obra funda a Geografia Humana.
Ratzel definiu o objeto geográfico como o estudo da influência que as condições naturais exercem sobre a humanidade. A natureza influencia na expansão e contatos com os povos. Para ele, a sociedade é um organismo que mantém relações duráveis com o solo. Quanto maior  o vínculo com o solo, maior seria a necessidade de manter sua posse. Quando a sociedade se organiza para defender o território, transforma-se em Estado. Território representa as condições de trabalho e existência de uma sociedade. O progresso implica na necessidade de expansão. Ratzel elabora o conceito de “espaço vital”( proporção de equilíbrio)...sociedade x recursos. Em termos de método, manteve , manteve a idéia de Geografia como ciência empírica. Era naturalista reduzindo o homem a um animal ( originou a escola determinista).
Vidal de La Blache: opositor de Ratzel...foi antes de tudo um diálogo com Ratzel. Fundou a escola francesa de Geografia. Enquanto Ratzel era autoritário, La Blache era mais liberal.
Críticas de La Blache à Ratzel.
1ª Politização...seria necessário neutralidade do discurso científico
2ª Caráter naturalista...
3ª Atacou a concepção fatalista e mecanicista da relação homem x natureza..
La Blache criou o possibilismo.
Teoria “Gênero de vida” expressa a relação homem x recursos.
Sua metodologia era empírico-indutivo, hostilizando o pensamento abstrato e o raciocínio especulativo. Formula-se dados a partir dos dados da observação direta.
La Blache...observação de campo, indução a partir da paisagem, particularização da área enfocada, comparação das áreas estudadas e do material levantado, além da classificação das áreas e dos gêneros de vida.
Geografia Pragmática: ataca o caráter não-prático da Geografia Tradicional. Propõe uma ótica prospectiva, um conhecimento voltado para o futuro. É um questionamento da superfície da crise, não de seus fundamentos. ( é uma crítica acadêmica). Positivismo para neopositivismo. Troca-se o empirismo da observação direta, para o empirismo mais abstrato ( estatístico). É uma arma de dominação para os detentores do Estado.
Geografia Crítica: postura crítica radical, frente a Geografia existente ( Tradicional ou Pragmática). Luta por uma sociedade mais justa.
Yves Lacoste foi o maior crítico da Geografia Tradicional ( sua frase, debochando...! A Geografia, serve antes de mais nada, para fazer a Guerra.”
Método dialético: forma de discutir e debater...processo movido pela contradição. Privilegia as mudanças qualitativas, opõe-se naturalmente a qualquer modo de pensar em que a ordem quantitativa se torne norma.
3 grandes princípios da dialética...
- Unidade de opostos;
- Quantidade e qualidade;
- Negação da negação.
Processos da conciliação ( Marx)...
Elementos básicos..
- Tese....é uma afirmação..
- A Antítese,...oposição da tese;
- A Síntese....conflito entre tese e antítese...
Método Hipotético-dedutivo: uma teoria construída através da hipótese, podendo ser deduzida ( nem sempre há uma relação perfeita entre experimentos e observações, com suas deduções).
Método hermenêutico ou fenomenológico-hermenêutico....trabalha com a percepção, busca capacitar a essência  da aparência...
Positivismo: Propõe à existência humana valores completamente humanos, afastando radicalmente a teologia e metafísica. Nega a ciência qualquer possibilidade de investigar a causa dos fenômenos naturais e sociais. O conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro.
Ahhh....hermenêutica é interpretação...
Breve histórico da França...
Teve a forma mais pura de uma revolução burguesa. Ali os resquícios feudais foram varridos. Teve uma unificação precoce. O poder centralizado na monarquia absoluta....burguesia sólida...
Domínio total do capitalismo. Com o tempo, o acirrar da luta entre classes, propiciou nova demanda, sendo a França, o berço do socialismo militante..
Ahhh....a França perdeu a guerra da Prússia...
Napoleão III perdeu para Bismarck
Ratzel era o geógrafo do momento...
Por dor de cotovelo, a França resolveu criar sua  escola geográfica...daí surge o La Blache...
Determinismo alemão x possibilismo frances...

Nenhum comentário:

Postar um comentário